Tecnologia Assistiva para pacientes com ELA - Produtos de Mobilidade

12/06/2019


Terapeuta Ocupacional Dra. Maria Aparecida Ferreira de Mello mariademello@technocare.net.br
Terapeuta Ocupacional Dra. Maria Aparecida Ferreira de Mello mariademello@technocare.net.br

Tecnologia Assistiva representa uma área do conhecimento que inclui o uso de produtos tecnológicos que substituem ou potencializam as habilidades residuais de pessoas com deficiência de qualquer faixa etária e independente da causa da deficiência.

A indicação de qual produto é mais apropriado resulta de avaliação de terapeuta ocupacional, esse mesmo profissional realizará o treino do uso fazendo com que o produto assistivo seja efetivamente usado no cotidiano da pessoa, assim como de seus cuidadores.

No caso de pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica, desde as primeiras perdas funcionais, já é possível a indicação de produtos que vão facilitar a realização de tarefas de vida diária, incluindo mobilidade em segurança. A perda gradual de força de membros superiores pode demandar o uso de órteses funcionais ou adaptações para atividades tais como alimentação, higiene oral, manipulação de objetos em geral. Em cada caso é realizada uma indicação precisa. Há uma vasta gama de produtos disponíveis no Brasil. Privar o paciente desse tipo de atenção contribui para a piora de sua qualidade de vida.

Cadeira de Rodas

Quando há comprometimento da marcha já com indicação de cadeiras de rodas, é necessário indicar uma cadeira de rodas que não vá favorecer as perdas posturais que a doença traz. Prover o paciente com ELA uma postura assentada adequada pode:

  • Melhorar suas funções fisiológicas que são afetadas pela postura ( respiração, digestão, função cardiovascular - integridade da pele);
  • Melhorar sua mobilidade ,
  • Melhorar sua comunicação ( verbal ou não verbal - visual, expressões faciais ou acesso a computadores),
  • Possibilitar melhor interação com o meio ambiente: na alimentação, na higiene, no vestir-se, nas atividades vocacionais e no lazer;
  • Melhorar os aspectos sócio-emocionais ( conforto e auto conceito - a percepção do usuário de si e a percepção dos outros do usuário).

A postura sentada do paciente com ELA, devido a perda de função muscular e frouxidão ligamentar vai evoluir para retroversão, cifose e protusão com flexão anterior de cabeça, conforme a figura a seguir:

Dessa forma, recomenda-se que na compra da cadeira de rodas, a almofada de assento, encosto e apoio de cabeça, seja considerada esta evolução, de forma que o equipamento possa atender ao paciente com ELA até sua morte. As almofadas deverão ter excelência na distribuição de pressão para maximizar o conforto e posicionar a pélvis na posição neutra; o encosto deve oferecer suporte lombar, suportes laterais de tronco quando a perda do controle postural for maior, ser almofadado e que "abrace" o paciente; o suporte de cabeça deve ter ajuste de eixo multiaxial, ajuste de altura e profundidade - preferencialmente que permita ter ajustes finos sem a necessidade de uso de ferramentas.

O chassi da cadeira deve permitir o ajuste da basculação, levando a linha da gravidade para trás do centro de massa do conjunto paciente/cadeira de forma a usar a força da gravidade como força de extensão, e não de flexão. Isso auxilia na manutenção da extensão de tronco e cervical. A seguir dois modelos disponíveis no Brasil que oferecem esse tipo de ajuste. Sendo que a ID Soft também oferece reclínio e elevação dos apoios de pés.

A indicação da cadeira e seus acessórios é realizada por Terapeuta Ocupacional especializado. Na avaliação para a indicação da cadeira de rodas deverão ser tomadas as medidas individuais do cliente, assim como a identificação das questões sócio-funcionais do cliente e de sua rede de cuidados.

Cadeira de banho

As cadeiras de banho, da mesma forma que a cadeira de rodas de locomoção devem oferecer o sistema de basculação, de forma a impedir que o corpo do paciente colapse para a frente, e apoio de cabeça confortável.

Guincho de Transferência

Outro aspecto fundamental são as transferências dos pacientes com ELA. Recomenda-se o uso de guincho de transferência para proteção do paciente e de seus cuidadores. Na seleção do guincho é necessário observar o selete em qual o paciente será apoiado, esse selete deve oferecer suporte corporal extensivo de tronco e de cabeça deixando somente os membros inferiores pendentes.